segunda-feira, 18 de novembro de 2013

Mãe Suzuki, por Lilian Kisaki

Começando uma série de posts muito inspiradores sobre as "mães Suzuki" aqui no blog, convidei a Lilian Kisaki para abrir esta série contando um pouco da história dela como mãe de dois meninos que estudam música pelo Método Suzuki e de como ela vê todo o processo. 

Minha ideia é mostrar um outro lado deste triângulo: pai-aluno-professor. Meus posts são sempre de uma visão de quem é professor, de quem acompanha as famílias mas não está lá no dia a dia para acompanhar o desenvolvimento dos alunos. Então, nada como ouvir de uma mãe que acompanhou todo o processo para nos dar sua visão das aventuras e desventuras que só quem é mãe deve saber. Quem sabe assim não inauguro uma série de posts de "Alunos Suzuki" também? Hehehe! Vamos ver!

Por enquanto, seguirei com os posts das mães Suzuki. Com a palavra: Lilian Kisaki! 




Porque decidiu colocar seu(s) filho(s) a estudar música? 
Eu até pensava em colocar os meninos a estudarem música um dia, mas foi eles mesmo que pediram, tanto o William quanto o Brian me pediram com 2 anos. O instrumento foi eles mesmos que escolheram.

Se eu tivesse filhos agora eu colocaria e faria tudo de novo, pois a música é a porta para qualquer coisa nessa vida, sem a música, o ser humano é somente um animal sem alma, que vive porque existe, mas não porque está vivendo realmente de corpo e alma...



Como conheceu o Método Suzuki?
Eu já conhecia o método Suzuki quando eu estudava piano em 1978, a filha da professora de piano estudava violino pelo método em Londrina. Eu não sei se naquela época os professores já tinham formação Suzuki ou davam aula pelos livros do Suzuki sem ter o conhecimento adequado do método...

Qual foi a sua maior dificuldade na sua trajetória como mãe Suzuki?
Não me recordo de nenhuma dificuldade como mãe Suzuki. Claro tive dificuldades como mãe: ser motorista, ser conselheira, mas como qualquer outra mãe. Ah! Também teve um tempo em que o William (que faz violino) queria estudar piano e canto, e o Brian (que faz piano) queria estudar violino e canto, acho que só foi uma fase onde um achava que o instrumento do outro era melhor, ou queriam provar outros instrumentos mesmo. Chegaram a estudar outro instrumento e canto, mas logo viram que seu próprio instrumento, que eles mesmos escolheram, eram melhores....



E a maior alegria?
É saber que criança Suzuki é mais feliz, por estar mais ligado ao todo, principalmente a qualquer som... Lembro de um dia, quando atravessávamos um semáforo a pé no centro de Tokyo e lá os sinais tocam uma música para que os cegos saibam que está verde para pedestres, os meninos solfejavam a musiquinha que escutavam lá, ainda desconhecida por eles! Agora então, tem ouvido para tudo, tocam qualquer instrumento com facilidade só de ouvido.

Qual o impacto que a educação musical teve no crescimento de seu(s) filho(s)?
Posso dizer que já estou colhendo os frutos. Acredito que todas as crianças que estudam música desde cedo tem uma sensibilidade maior em tudo, aumento da inteligência, aumento de conceitos matemáticos, são mais amorosos e caridosos. 

Tem mais habilidades em artes, como na pintura e literatura, são mais ligados à natureza e amorosos com os reinos (animal, plantas e minerais), tem um respeito e aceitação maior pelas pessoas. E o mais fantástico é que passaram a adolescência com muita tranqüilidade.


Como era (ou é) a rotina de estudos em casa? Foi fácil estabelecer esta rotina? Ou foi um desafio?
Acho que não foi difícil, de estabelecer uma rotina, mas a rotina era leve, o William nunca foi de estudar violino, começou a estudar depois de 11 anos. O Brian já era de sentar no piano e tentar acertar as dificuldades, contrário do William que depois dos 9 anos nunca mais quis estudar coisa alguma, mas senta com prazer no piano para tocar até hoje, nunca por obrigação. 
Uma tarefa importante foi ouvir os CDs, eu sempre colocava para ouvir os CDs de violino, piano e outros CDs de Mozart, Beethoven,Vivaldi, Handel, algumas óperas, os CDs da musicalização...

Como foi a participação do pai neste processo? Afinal, a responsabilidade não é só da mãe, certo?
O pai no começo era mais "faça o que a mamãe acha melhor", mas aos poucos foi interagindo e conhecendo melhor a importância da música na nossa vida. Chegou até a estudar flauta transversal com o professor Rodrigo (Carraro, da Escola de Música Tio Zequinha) e, neste tempo, as crianças tiveram o maior desenvolvimento musical, pois eles tinham orgulho que tanto a mãe como o pai tocavam também. 



Alguma dica preciosa para as famílias que estão começando esta jornada? Algo que funcionou muito bem ou algo que faria diferente hoje?
As dicas são algumas para mim:
Ouvir os CDs diariamente;
Participar dos encontros, retiros, apresentações, aulas de grupo, etc;
Ter uma participação ativa dos pais tocando algum instrumento. 


"A música não apenas desperta nossa alma, mas também constitui dessa essência que é a vida em seu todo." Lilian Kisaki

Lilian, muito obrigada pela participação e por iniciar esta série aqui no blog com tanta propriedade! Tenho certeza de que, quem conhece esta família, não deixa de se inspirar com o quanto eles são dedicados à música e aos estudos. Os meninos são de ouro e merecem todo o sucesso que agora estão colhendo em diversas facetas da vida. Parabéns!

E se alguém conhece alguma mãe (ou pai) que poderia participar, por favor me avise, ok? A ideia é que seja aberto a todos, não só aos pais dos meus alunos ou de conhecidos. Quanto mais diversificado, melhor! 

Beijos!
Profe Mônica.

5 comentários:

  1. Adorei, Mônica. Parabéns pela postagem. A Lilian é uma inspiração para mim e para todas as mães que trilham este caminho com seus filhos no mundo da música.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Carla, que bom que gostou! A Lilian é realmente uma inspiração, essa era a minha ideia com o post, trazer um pouco da visão das mães que podem inspirar e ajudar outras mães.
      Grande beijo!

      Excluir
  2. Parabéns Mônica pela iniciativa de criar este blog. Acho que ainda incentivará muitas pessoas a iniciarem na música. bjus

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dora, que bom que gostou! Realmente, se conseguir incentivar pessoas a fazerem música, meu objetivo de vida foi alcançado! :)
      Beijos, querida!

      Excluir
  3. Parabéns que Deus continue derramando muitas bençãos nesta família..

    ResponderExcluir